Revista Zé Pereira
Compre Aqui
Embarque

Mal Necessário

Kill kill kill the poor

Arnaldo Branco

O Dr. Samuel Johnson disse que a Pátria é o último refúgio do canalha. Mas hoje em dia quem se importa com a Pátria? A gente mal dá bola para a Seleção Brasileira. Então, upgrade na frase: A Família é o último refúgio do canalha.

Em nome dessa instituição sagrada você pode defender a censura, o politicamente correto e a faxina étnica e nem se sentir muito nazista, porque afinal, Família em primeiro lugar (über alles, se não falei português correto ;)). Sempre ouvi esse papo de que quando você se torna pai/mãe sua vida se transforma, mas acredito que a maior mudança se dê no setor do cérebro responsável pela capacidade de argumentação.

Por exemplo nosso Governador (caso clássico de filho de pai legal que só pode ser o resultado das más companhias) é ferrenho defensor da Família, mas acha que o melhor jeito de garantir a segurança dos familiares da classe média é matando os da classe baixa, mesmo que vincular estatisticamente violência e miséria seja burrice até para os padrões do Emir Sader. Para isso está disposto a apoiar o aborto mesmo contra as determinações da Igreja, agremiação a que se filiou há menos tempo do que ao PSDB.

Já escrevi que a questão do aborto deveria ser decidida pelo maior interessado, o feto, uma vez que - também graças aos apelos da classe média apavorada - em pouco tempo ele poderá ser responsabilizado criminalmente, através da redução da maioridade penal. Eu fico com a pureza da resposta dos embriões, é a vida, é bonita e etc.

Hoje é impossível discutir qualquer coisa relacionada a segurança pública sem que alguém meta a Família no meio. Se você defende uma posição considerada excessivamente liberal por seu interlocutor, fatalmente vai ouvir o irrespondível argumento: "e se acontecesse com o(a) seu(sua) ____________?" - a lacuna é para inserir o nome do parente ora posto em perigo hipotético.

Uma vez que parte da mesma lógica de um sequestrador, quem discute nesses termos deveria ser preso por crime inafiançável. Fico imaginando que depois que esquartejarem minha mãe depois de estuprá-la, um desses sujeitos vai aparecer usando jaleco de professor na cena do crime e dizer com um risinho de satisfação: "como queríamos demonstrar".


O ataque dos telepatas assassinos
Concorrência desleal
A morte do sapo
Disposição contrária
To be or to appear to be, that is the etc etc
As portas da percepção
Home of the brave, land of the free
Patrulha de Elite
A questão do conteúdo
A inteligência em mãos erradas
O Brasil é um país sem o que mesmo?
Coleção primeiros passos: o que é didatismo
Humor anal
Um mundo de possibilidades
O Homem superando os meus limites